Criança Lendo HistóriaEra uma vez...

As histórias infantis fazem parte da infância de qualquer pessoa. São histórias contadas, recontadas, que passaram por várias gerações, e ainda assim não perderam o brilho. Mesmo com as mudanças ocorridas no mundo continuam a cativar e encantar milhões de crianças.

Não se sabe exatamente quando surgiram essas primeiras produções de textos que ainda são conhecidas atualmente. O hábito de contar histórias veio do momento em que o ser humano, já consciente de sua existência e de suas vivências, decidiu relatar os acontecimentos de sua vida a outras pessoas, geralmente essas histórias tinham como característica principal, algum tipo de aprendizado ou descoberta que fosse útil aos demais. As histórias que mais prendiam a atenção conseguiam sobreviver ao serem contadas de uma geração para outra.

Mas tudo mudou quando alguém resolveu registrar as histórias, que contadas várias vezes por pessoas diferentes acabavam sendo modificadas. Além de registrar as histórias antigas, novas histórias foram sendo escritas.

A literatura infantil foi apresentada como gênero literário no século XVII, período em que a sociedade passava por diversas mudanças, que acabaram influenciando o meio artístico. Nessa época, a burguesia ascendeu como classe, criando uma nova relação da criança com a sociedade e dando importância da educação. No século XVIII, foi reconhecido que a criança é um ser diferente do adulto, que precisa de cuidados especiais e tem necessidades e características próprias. Sua educação então passou a ser ministrada de forma diferente, lhe ajudando futuramente a lidar com a vida adulta.

Origem dos Contos

Aladdin DVDUma das histórias mais antigas, vem de uma coleção de contos árabes intitulada Mil e Uma Noites (Alf Lailah Oua Lailah), escritos mais ou menos entre os séculos IX e XIII. Possui uma estrutura diferenciada, a qual o final de uma história é ligada ao início da próxima. Dessa forma, aquele que escuta a trama fica ansioso pela continuação (esse método pode ser observado nos seriados de tv).

Essa coleção de contos, eram histórias populares originárias do Oriente Médio e sul da Ásia, que foram escritas em árabe. A obra passou a ser conhecida no ocidente, após sua tradução começar a ser feita pelo francês Antoine Galland, em 1704, durando até 1717, se transformando num clássico mundial.

Não existe uma versão original definida, mas o que se pode encontrar em todas as versões é que se trata de uma sequência de contos narrados por Sherazade, esposa do rei persa Shariar. A história conta que Shariar após ser traído por sua primeira esposa, mandou matá-la e toda noite passava com uma esposa diferente, mandando-as matar sempre na manhã seguinte. Mas ao casar-se com Sherazade, para se livrar do destino cruel, ela lia todas as noites para o rei contos que só continuavam na noite seguinte. Devido a ligação das histórias a esposa conseguiu prender a atenção do rei por mil e uma noites, sendo poupada da morte.

Entre os mil e um contos, o mais conhecidos são: Aladim e a Lâmpada Maravilhosa, Ali-Babá e os Quarenta Ladrões, Simbad e O Mercador e o Gênio. Ao fim das mil e uma noites, Sherazade, que já tinha dado à luz a três filhos do rei, pediu-lhe que não a matasse por amor aos filhos. O rei, reconhecendo a dignidade de Sherazade, lhe perdoa. Ficando então a metáfora traduzida por Sherazade: a liberdade se conquista com o exercício da criatividade.